Histórico

A Boa Companhia atua desde 1992 e tem como proposta a pesquisa da linguagem cênica a partir do trabalho do ator. Com uma arrojada mistura de linguagens artísticas a companhia explora uma zona de fronteira onde se entrelaçam os limites do teatro, da dança, da música, do circo e do audiovisual. Ao longo de sua trajetória, encenou textos que vão de Shakespeare a Qorpo Santo, passando por Nelson Rodrigues e Samuel Beckett, além de adaptações de autores literários como Franz Kafka e Hilda Hilst, sempre buscando provocar uma reflexão sobre as relações humanas e suas consequências no mundo em que vivemos.

Desde 1996, a companhia participa de eventos internacionais como o Festival Internacional de Belo Horizonte (julho de 1996, com PRIMEIRAS ESTÓRIAS), e o Seminário Internacional de Dramaturgia do Ator (julho de 1997 – Havana, Cuba – LOVE ME, Uma Poética Dos Sentidos).

Em 1997 a Boa Companhia inaugura sua sede, o ÚTERO DE VÊNUS, onde passa a desenvolver suas pesquisas, apresentar o repertório do grupo, realizar palestras e workshops e promover mostras de artes cênicas.

Em 1998 a companhia realizou o projeto “Nelson Rodrigues em Londres”, na QMW University of London, orientando um curso sobre a dramaturgia do autor, assim como a apresentação de dois espetáculos: DOROTÉIA e LOVE ME, no Harold Pinter Studio, além das performances de rua Alaíde Morta e Ofélia Afogada.

No ano de 1999 acontece a estreia do espetáculo PRIMUS, baseado no conto “Comunicado Para Uma Academia” de Franz Kafka. Essa peça participou da Mostra Contemporânea de Artes Cênicas do Teatro do Centro da Terra (patrocinada pela PETROBRÁS) e do projeto Palco Giratório, idealizado pelo SESC Nacional, além de ter sido convidada para vários festivais no Brasil e para o Festival Internacional de Teatro de Erlangen – Alemanha, em 2002.

A participação nesse último evento rendeu convite para uma coprodução Brasil/Alemanha: uma livre adaptação do conto “Um Artista da Fome”. Em abril de 2003 foi apresentado um ensaio aberto no Instituto Goethe/SP e no Festival Arena-03, na Alemanha, onde MR. K E OS ARTISTAS DA FOME recebeu o prêmio de Melhor Espetáculo eleito pelo Júri. No mesmo ano JOSEFINA, A CANTORA apresenta-se no Festival Internacional de Teatro Santiago a Mil na capital chilena.

Durante os anos de 2004 e 2005 a companhia faz a manutenção de seu repertório. Em 2006 PRIMUS é aprovado no Edital da Caixa Econômica Federal, realizando apresentações em Curitiba e Brasília. MR. K E OS ARTISTAS DA FOME participa do projeto Copa da Cultura Brasil x Alemanha, em Berlim, realizando apresentações e oficinas, com o patrocínio do Ministério da Cultura brasileiro.

Na comemoração de seus 15 anos de atividades, em 2007, a companhia realiza a coprodução Brasil-Portugal, com o Espaço Evoé de Lisboa, onde estreia o espetáculo GALERIA 17. Ainda em 2007 o grupo é contemplado como Ponto de Cultura, pelo Ministério da Cultura, e incrementa as atividades em sua sede, em parceria com artistas convidados das áreas de teatro, dança, música e performance. O espetáculo ESPERANDO GODOT apresenta-se em Lisboa.

No ano de 2009 PRIMUS completa 10 anos de carreira, comemorados com a participação no V Moscow International Festival of Student and Postgraduate Performances, na Rússia, além de realizar apresentações nas cidades de Curitiba e Rio de Janeiro, com o patrocínio da Caixa Econômica Federal.

Ainda em 2009, o grupo estreia PORTELA, PATRÃO; MÁRIO, MOTORISTA, com temporada no Útero de Vênus, patrocinado pelo FICC – Fundo de Incentivos Culturais de Campinas – e dá início à circulação do espetáculo por vários festivais e mostras em cidades do interior paulista.

Em 2010, estreia o espetáculo CARTAS DO PARAÍSO, fruto de projeto premiado pela Funarte (Edital Myriam Muniz de Teatro/2008), que circula por diversas cidades do interior de São Paulo. No mesmo ano a Boa Companhia é contemplada com o edital Funarte de Ocupação do Teatro de Arena Eugênio Kusnet, com o projeto “O Lobo do Homem”.

Em 2011 o espetáculo CARTAS DO PARAÍSO é contemplado pelo projeto Viagem Teatral do Sesi/SP, além de participar do Festival UCSUR em Lima, no Peru. PRIMUS é convidado para abertura do Festival Internacional de Dourados/MS e do Festival Nacional de Piracicaba, SP. PORTELA, PATRÃO; MÁRIO, MOTORISTA realiza temporada em São Paulo e participa do festival de Goiânia, GO.

Ainda em 2011, em parceria com o Matula Teatro, estreia o espetáculo AGDA, adaptado do conto de Hilda Hilst, com direção de Moacir Ferraz. A peça é indicada ao prêmio de melhor espetáculo do interior do estado de São Paulo, pela Cooperativa Paulista de Teatro. No mesmo ano, a Boa Companhia é contemplada com o projeto Iberescena, em parceria com a Universidade Católica do Chile, para a montagem da peça A FALECIDA, de Nelson Rodrigues, na cidade de Santiago/Chile, com direção de Claudia Echenique.

Em 2012, comemorando os 20 anos de existência, a Boa Companhia, estreia a trilogia CIRCO K, em Campinas, fruto do projeto contemplado com o Prêmio Procultura, do MinC – em nova parceria com o Matula Teatro, além de circular pelo interior do Estado de São Paulo com o espetáculo AGDA, dentro do projeto “O Feminino, o Verso e a Cena”, contemplado pelo edital PROAC, da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo.