Outros Bons

Espaço reservado para divulgação de grupos e artistas parceiros:

Andreas Simma – Formação: Ecole Internationale de Théâtre Jacques Lecoq, em Paris Escola de Artes Dramáticas “Volkstheater”, em Viena/Áustria Estudos universitário, de Literatura Francesa e Teatro (Viena e Paris) Oficinas: Teatro Balinês (Cristina Wistari: máscaras, Nyoman Candri: marionetes), Kathakali (Índia), Teatro Grego (Grécia, Mirka Yemendzakis), Teatro Russo (Michai Fusu), Teatro Polonês (Wieszlav Komaza). Ensino: Oficinas de Máscaras (italiana e balinesa), com o “Théâtre du Soleil” (Afeganistão); Oficinas com base na pedagogia de Jacques Lecoq ministradas na França, Argentina, Áustria e Alemanha e Brasil (Rio de Janeiro e São Paulo). Théâtre du Soleil: ator nas peças Les Naufragés du Fol Espoir, Les Ephémères, Le Dernier Caravansérail. Outros Trabahos: ator, diretor e clown em diversas companhias na França, Itália, Irlanda, Inglaterra, Escócia, Holanda, Alemanha, Áustria. No Brasil, parceria com a Boa Companhia, Campinas, SP.

Claudia Echenique – Claudia Echenique se ha especializado en dirección tanto en el teatro contemporaneo como en el clasico y el teatro callejero. Directora Teatral PUC, Mágister en Pensamiento Contemporaneo UDP, Doctora en Artes UNICAMP dirige las compañias Colectivo Obras Públicas y Rústicos de Estopa. Ha desarrollado un vasto y sostenido trabajo en el área del teatro callejero. En 1995 junto al diseñador Herbert Jonkers construyen el Teatro Móvil Magdalena (gracias a un proyecto FONDART y a la Comunidad Económica Europea) que recorrió Chile con su trilogía sobre los oficios: “Ofelia y su Mágico Teatro Móvil” adaptación del cuento de Michael Ende (1996), “La Tierra Anterior” Patricia Araya (1999) y “Nagy, el habitante del Cielo” de Jaime Collyer (2005). También ha dirigido “Ubú Rey” de Alfred Jarry (2007), obra que itineró en Coyaique y la zona austral de Chile. En dramaturgia junto a Sofia Zagal y COPS ha escrito, Clotario, Brigadas y Constitución. Actualmente integra la “INTERNACIONAL INVENCIONES”, proyecto de colaboración artístico latinoamericano, que busca producir Raza Violenta junto a “Boa Companhia” y “Matula Teatro” cuya primera obra “Mujeres Violentas”, se estrenó en 2011 en Barón Geraldo, Campinas, Brasil. Hombre Violento que se estreno en Chile en 2013. También se ha destacado, como investigadora y como directora para teatro de sala dirigiendo obras como “Cariño Malo” (1990), “Malinche” (1993),“Sidhartha” (1995), “ART” (1999) y “Proof” (2003) en el Teatro de la UC. En el contexto de su investigación de doctorado ha dirigido “OTELO” (2004), “RICARDO III” (2006), “MACBETH” (2006) y “TITUS” (2009). Es docente de la Escuela de Teatro UC en Teatro Clásico, Teatro Contemporáneo, Teatro Callejero y Dirección Teatral. www.cops.cl

Christine Rhörig – Nasceu em São Paulo. Como autônoma, edita a Coleção Dramática, de textos teatrais na Editora Cosac & Naify, onde trabalhou como editora até final de 2003. Entre 1999 e 2001, foi editora executiva da editora Unesp e entre 1991 e 1999 editora da Editora Paz e Terra onde, desde 1992, é secretária de redação da Revista Política Externa. Coordenou a publicação no Brasil, e traduziu diversas peças da Coleção Teatro Completo de Bertolt Brecht em 12 volumes.

Eduardo Albergaria – Ator e iluminador desde 2000, é graduado na Escola de Comunicação e Artes (ECA-USP). Atualmente integra o Grupo Peleja (BA/PE) com o qual atua no espetáculo “Gaiola de Moscas” sob direção de Ana Cristina Colla (LUME Teatro) e é ator convidado do espetáculo “Gran Circo Máximo”do Grupo Matula Teatro, dirigido por André Carrera. Integrou o “Núcleo Fuga!”, ganhador do Prêmio Myriam Muniz/FUNARTE 2007, com espetáculo homônimo, dirigido por Norberto Presta e orientado por Renato Ferracini (LUME Teatro) e Jussara Miller. Atuou em “Noturno” (2005), premiado curtametragem do diretor Daniel Salaroli e no longa “Corte Seco” de Renato Tapajós (em fase de edição).

Esteban Alvarez – A tor e músico licenciado em Atuação pela Pontificia Universidade Catolica do Chile. Mestrando em Artes pela UNICAMP. No Brasil, tem trabalhado como ator e músico, em parceria com Boa Companhia e Grupo Matula Teatro, nas peças “Um Artista da Fome” (2012) e “Na Galeria” (2012). No Chile, atuou em diversos espectáculos, entre eles, “A Falecida” (2011), “Campo de Batalla” (2010), “Titus Andrónicus” (2009), “Búrlame Don Juan” (2007), “Vals” (2007). Como músico e compositor, trabalhou nas peças “Cruzadas” (2009), “Ubu Roi” (2008), “Nagy” (2006). Trabalhou como professor assistente na Pontificia Universidad Catolica do Chile entre os anos 2003-2009.

Gustavo Valezi – É ator, bailarino, integrante da Cia. Domínio Público e Mestre em Artes da Cena pela UNICAMP. Participa como ator convidado na Boa Companhia com os espetáculos Um Artista da Fome e Cartas do Paraíso, além de ter trabalhado como assistente de coreografia em Galeria 17. Há cinco anos iniciou sua jornada na dança onde trabalhou e estudou com a bailarina e atriz colombiana Vivian Nuñez e com Holly Cavrell e hoje participa do espetáculo Posso dançar pra você? da Cia. Domínio Público e de Persephassa com esta em parceria com o GRUPU – Grupo de Percussão da UNICAMP. Após seu aprofundamento na dança, trabalha como preparador corporal em montagens teatrais. Atualmente se aprofunda em interpretação cinematográfica com o diretor de cinema Fernando Leal, já tendo participado de três longas e mais de dez curta-metragens.

Grupo Matula Teatro – Site: www.grupomatulateatro.com

Luciana Mitkiewcz – Atriz, Bacharel em Artes Cênicas/Unicamp, Mestre em Teatro/Unirio. Como atriz, trabalhou com Márcio Aurélio, João das Neves, Renato Cohen, André Paes Leme e Verônica Fabrini. Como docente: Teatro Vocacional; Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro; Oficinas Culturais do Estado de São Paulo; SENAC SP. Como produtora, é sócia-diretora da BQ Teatro. Projetos realizados: As Polacas-Flores do Lodo (2011-2012); O Chá (2007-2008), Jogo Coreográfico (2009), Cinema Nacional Legendado e Audiodescrito CCBB SP (2009, 2010 e 2011). Outras formações: Técnico de Ator (UniverCidade/1996); Direção de Atores para Cinema (EICTV Cuba/ 2006); Especialização em Educação Estética (UNIRIO/ 2006); Especialização em Gestão de Projetos Culturais (Celacc USP/ 2010).

Marcelo LazzarattoAtor e diretor formado pelo Departamento de Artes Cênicas da ECA – USP, é Prof. Doutor em Interpretação Teatral no Departamento de Artes Cênicas da UNICAMP. Em 2000 cria a Cia. Elevador de Teatro Panorâmico, na qual exerce a função de diretor artístico, tendo realizado, entre outros, os espetáculos: “A Ilha Desconhecida”, adaptação da obra de José Saramago,“Loucura”, compilação de textos a respeito do tema; “A hora em que não sabíamos nada uns dos outros”, de Peter Handke; o espetáculo processual “Amor de Improviso”; “Peça de Elevador”, de Cássio Pires; “Ponto Zero”, a partir da obra de Salinger, Kerouac e Godard e “Eu estava em minha casa e esperava que a chuva chegasse”, de Jean-Luc Lagarce.

Ricardo Harada – Bacharel em artes cênicas pela Universidade Estadual de Campinas UNICAMP, Doutorando em Artes pela Unicamp. É ator, pesquisador, consultor de efeitos mágicos e ilusionista. Atuou em espetáculos como “Catléia” (2004), “O doente imaginário” (2004), “Intersecções: peças curtas de Harold Pinter”,”11 32: Homem Caminhando Está” (2005), “Um Artista da Fome” (2012) e “Na Galeria” (2012) Como ilusionista, recebeu diversos títulos e prêmios, como o título de Mágico Revelação de 1998 pela Associação dos Mágicos de São Paulo; Grande Prêmio da Convenção Nacional de Mágicos (2003); 2o prêmio em magia argumentada do Congresso Latino Americano de Mágicos (2004); 1o prêmio em Magia de Palco no Congresso Brasileiro de Mágicos 2006; Mandrake d’or, prêmio outorgado pela Academie Française des illusionists (2009). Também participou como artista convidado e conferencista em congressos internacionais de ilusionismo em diversos países como Uruguay, Argentina, Chile, Peru, França e Espanha. Como consultor de efeitos mágicos, trabalhou em montagens como “Kavka: agarrado num traço à lápis”( Lume Teatro); “Marvada Caloimbina” e “Amor, te espero” (Barracão Teatro).

Sillas Oliveira – Bacharel em Composição pela UNICAMP e licenciado em Formação Musical pela Escola Superior de Música de Lisboa. Músico profissional, professor, sonoplasta, compositor e diretor musical, já participou de montagens no Brasil e no exterior, a citar, KA (1999; dir: Renato Cohen, apresentada da 1ª Bienal Internacional de Poesia de belo Horizonte), Galeria 17 (2007; dir. Verônica Fabrini, participante da 2ª Bienal Lusófona de Lisboa, Portugal), Hay Amor! (2009; dir: Verônica Fabrini, vencedora do XIV festival Internacional de Teatro Universitário de Agadir, Marrocos), e Primus (1999; dir: Verônica Fabrini, apresentada no IV Festival “Your Chance” de Teatro de Pós-Graduação de Moscow, Rússia). É artista participante do projeto MUS.e, da International Yehudi Menuhin Foundation, que atua em países da Europa e no Brasil. Integrante do Grupo musical Zabalê, realiza pesquisa em torno da música brasileira, e no âmbito do mestrado em Artes da UNICAMP realiza pesquisa sobre as possibilidades da utilização do pensamento musical na criação e concepção da cena.

Outros Bons

Clermont Pithan, Eloísa Domenici; Francisco Medeiros; Freie Universität Berlin; Grácia Navarro; Holly Cravell; Isabela Tardin; Isabelle Dufau; Ivan Vilela; João Carlos Dalgalarrondo; João das Neves; Laly Krotozynski; Lúcia Fabrini de Almeida; Luiz Fernando Bongiovanni; Madalena Bernardes; Marcio Aurélio; Márcio Tadeu; Paul Heritage; RAW99 Berlin; Sergio Fingermann; STUDIOBÜHNE Berlin; Suzy Wilson, Max Costa.