Portela, Patrão; Mário, Motorista

portela_mario_1036“Portela, patrão; Mário, motorista” nasceu de nossa vontade de falar sobre as relações de poder em nossa sociedade. Queríamos fazer um estudo prático sobre uma realidade em que o encontro de dois seres humanos está condicionado p contradições or questões econômicas. Procuramos organizar de maneira cênica as existentes nesse encontro que, por um lado, é incontestavelmente humano, mas por outro, é notavelmente desumano. Decidimos por radicalizar essa contradição por meio do trabalho com a corporeidade animal e, para isso, buscamos ajuda nas gravuras de Goya, “Os caprichos”, onde podemos encontrar figuras meio animais meio humanas. Goya nos propõe uma reflexão plástica ao mostrar-nos humanos animalizados e animais humanizados, fazendo-nos pensar sobre as relações entre os homens, bem como, a relação dos homens com a natureza. Essas relações estão, de uma maneira ou de outra, dominadas pelo poder do dinheiro e continuam a produzir suas vítimas, sejam elas humanos ou animais. Tentamos trazer para o palco essas contradições, com personagens extremamente humanos e atos assustadoramente desumanos. Essa zona de indefinição entre o humano e o inumano é representada por bonecos que dividem o palco com os atores.

FICHA TÉCNICA

Criação, direção e atuação: Daves Otani e Eduardo Osorio

Co-direção: Verônica Fabrini

Provocação cênica: Alexandre Caetano, Andreas Simma e Moacir Ferraz

Trilha Sonora: Silas Oliveira

Iluminação: Verônica Fabrini e Bruno Garcia

Figurino e Cenário: Daves Otani e Eduardo Osorio

Confecção de Bonecos (cabeças e mãos): Helô Cardoso e Caio Sanfelice

Confecção de Bonecos (corpo): Francisco Ivan Russo

Núcleo de Produção: Cassiane Tomilhero, Isabela Razera e Luana Aline

Designer Gráfico: Daniel Pátaro

Realização: Boa Companhia

Duração: 70 minutos

Indicação Etária: 14 anos

Projeto Completo