Registros do III Vaudavila

Agda – leitura Dramática

“Fiz uma literatura para quem tem vontade de dilatar a própria vida”.

Hilda Hilst, out/94.

Apesar da fama alcançada pela pornografia de alguns de seus textos, o desejo de transcender a condição humana, de encontrar Deus, é o traço mais forte na vasta e diversificada obra literária de Hilda Hilst, segundo a própria autora.

É assim no conto “Agda”, fábula atemporal de caráter trágico, que narra a trajetória de uma mulher maldita que – em meio à tumultuada relação com seus três amantes, e sob o olhar moralista e acusador dos demais habitantes da aldeia – aborda questões fundamentais da existência humana como a finitude da vida, a aparente incompatibilidade entre os desejos do corpo e do espírito, entre o sagrado e o profano.

Elenco: Alice Possani, Melissa Lopes e Verônica Fabrini.

Direção e adaptação: Moacir Ferraz

Produção: Boa Companhia e Grupo Matula Teatro

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________

Mostra Grupo de Investigação da Cena Híbrida.

O Grupo de Investigação da Cena Híbrida, orientado por Veronica Fabrini, apresentou uma mostra de cenas curtas (processo das pesquisas dos integrantes).

Mestre de Cerimônias: Ricardo Harada
Atuadores: Rafael Barzaglia (Homem Pedra), Veronica Fabrini e Melissa Lopes (Terra e Pó), Gustavo Valezi (A História do Soldado), Carolina Delduque, Maíra Coutinho e Gisele Nunes (As três Irmãs) e Erika Cunha (Exilius e Estudos em Baixa Resolução).