Poéticas da Vila

logo-poeticas

 

Em 2014 e 2015, a Boa Companhia e o Grupo Matula Teatro realizaram o “Poéticas da Vila”, com apoio do Proac Território das Artes. Aqui vocês encontrarão uma série de vídeos artísticos/poéticos das ações compartilhadas na Vila Santa Isabel, bairro que inspirou o projeto. Acompanhe todos os nossos vídeos feitos durante esses anos.

A ideia da qual nasce esse projeto, é de que a arte pode estar em qualquer lugar, e que uma das formas de se encontrar com ela é… passear pelas ruas. Por essa razão, batizamos os 10 residentes de peripatéticos. Peripatético é aquele que aprende passeando, em movimento, como fazia Aristóteles. Ambulante, que deriva e devaneia. É aquele que aprende e inventa na simplicidade do dia-a-dia. Passeando se podem descobrir as pequenas belezas, as epifanias do simples, os deuses das pequenas coisas.

 

 

 

 

 

Programação Maio e Junho 2015

2ª OFICINA “As linhas e as formas”

Caminhos: Oficina prática de desenho, pintura, estudo e mapeamento das ruas da Vila Santa Isabel. Intervenção plástica em diferentes espaços da vila com Guilherme Werneck (Instituto Veredas)

22/05/2015, às 19h

23 e 24/05/2015, das 9h às 17h

24/05/2015, às 18h – Mostra dos desenhos e pinturas realizadas durante a oficina.

Período das Inscrições: De 15 a 21 de maio de 2015

espaco

3ª OFICINA “A música”

Serenatas pela Vila: Oficina de canto, música e canto coral a partir da coleta de músicas prediletas dos moradores da Vila, com Silas Oliveira (Banda Senhor Macaco) e  Leonardo Matricardi ( Cia. Histriônica de Teatro)

12/06/2015, às 19h

13 e 14/06/2015, das 9h às 17h

14/06/2015, às 18h – Serenatas para os moradores da Vila Santa Isabel

Período das Inscrições: De 01 a 11 de junho de 2015

espaco

Inscrições e maiores informações
grupomatulateatro.com e boacompanhia.art.br
[email protected]
(19) 3305-8372 e (19) 3288-0267

espaco

Rosa dos Ventos – sede do projeto: R. Edna de Barros Sanches, 80.  Horário de funcionamento 14h às 17h.

Os Grupos Boa Companhia e Matula Teatro foram contemplados pelo Programa de Ação Cultural (PROAC) TERRITÓRIO DAS ARTES, com o projeto POÉTICO DA VILA.

Esse projeto prevê residências artísticas, oficinas e encontros que irão acontecer na sede dos grupos, na Vila Santa Isabel, em Barão Geraldo, Campinas (SP) e pelas ruas da própria Vila, de abril a novembro, do outono até a primavera.

Para a residência artística serão selecionados 10 participantes, que tomarão parte em oficinas e trabalho de criação, passeando por diversas linguagens artísticas – literatura, artes plásticas, música e performance. Como forma de interação dessas linguagens, os residentes irão, pouco a pouco desenhando um mapa desse passeio.

A ideia da qual nasce esse projeto, é de que a arte pode estar em qualquer lugar, e que uma das formas de se encontrar com ela é… passear pelas ruas. Por essa razão, batizamos os 10 residentes de peripatéticos. Peripatético é aquele que aprende passeando, em movimento, como fazia Aristóteles. Ambulante, que deriva e devaneia. É aquele que aprende e inventa na simplicidade do dia-a-dia. Passeando se podem descobrir as pequenas belezas, as epifanias do simples, os deuses das pequenas coisas.

Como o projeto prevê uma interação com a vida da vila, cada oficina, de cada linguagem artística, será aberta aos moradores, vizinhos e interessados. Porém, aos residentes – os peripatéticos – caberá ir tecendo a trama que une cada linguagem artística ao mapa da vila. Para isso, no período entre as oficinas, os 10 peripatéticos irão passear pelas ruas da vila, conversando com os antigos e novos moradores, colhendo histórias, pequenos objetos, fragmentos de memória, lembranças de músicas, descobrindo lugares especiais, olhando com um novo olhar os lugares corriqueiros. Assim como correm as estações do ano e as coisas todas se transformam, os peripatéticos irão, no decorrer do projeto, re-encantando a vila, como por exemplo, uma nova cor sobre o asfalto cinzento, uma nova forma surgindo atrás de um poste de luz, um poema escrito na calçada a partir de uma memória, lembrança de uma antiga canção cantada em serenata e o que mais for surgindo das conversas com os orientadores do projeto e das oficinas.

Nosso desejo é transformar o material colhido na vila, por meio de cada linguagem artística, para depois devolvê-lo para a vila de diferentes formas, dependendo de como cada oficina invente seus jeitos próprios de trabalhar. Nesse momento “entre-oficinas”, os peripatéticos terão a orientação da BOA COMPANHIA E DO MATULA TEATRO.

E as oficinas?

As oficinas, além da participação dos dez residentes, serão abertas aos moradores da vila e outras pessoas interessadas. Cada oficina terá a duração de três dias, sempre as sextas, sábados e domingo, sendo uma por mês, nos meses de abril, maio, junho e julho.

A ideia é fazer com que cada participante das oficinas amplie seu conhecimento sobre a peculiaridade de cada linguagem artística, se re-encantando com a palavra, por meio da literatura, com as cores, formas e texturas, por meio das artes visuais, com os sons e com a própria voz, por meio da música e, que por meio da performance, amplie sua percepção sobre a ação poética, sobre a ação testemunhada. Todas as linguagens buscarão desenvolver a percepção sobre as coisas simples, sobre as pequenas belezas do cotidiano, do que está perto, ao alcance da mão… para que a beleza, não seja um privilégio, mas um bem comum, um bem sem dono. E um bem, que faz bem!

E depois?

No segundo semestre, os PERIPATÉTICOS, BOA COMPANHIA E O MATULA TEATRO, alimentados pelo que aprenderam, realizarão três ações cênicas coletivas: passeios guiados no ônibus que faz a linha pela Vila, um pic-nic cênico na praça, e um passeio pela orla da fazenda, dedicado aos bichos e as crianças. E claro, uma festa de encerramento no equinócio da primavera– porque todo renascer merece uma celebração!

E para participar disso tudo?

Os dez residentes PERIPATÉTICOS (todas as oficinas, projetos de criação /interação de linguagens e investigação “entre-oficinas”) serão selecionados através de carta de interesse e currículo e as inscrições acontecerão de 13 de março a 03 de abril de 2015.

Para participar pontualmente das oficinas, você poderá se inscrever separadamente em cada uma delas, uma semana antes do início de cada uma.

Equipe do Projeto (coordenação/orientação e oficinas)

coordenação/orientação: Boa Companhia e Matula Teatro

OFICINAS:

As oficinas acontecerão sempre as sextas -feiras das 19h as 22h, aos sábados e domingos a partir das 9h (horário previsto de término às 18h). No domingo, após o encerramento, haverá uma mostra pública do material levantado, às 18h.

17, 18 e 19 de Abril –  A PALAVRA

Doris Accioly Silva (Faculdade de Educação/USP)

Conversas sobre a palavra, a criação artística e pensamento libertário

Maria Lúcia Fabrini de Almeida (Instituto Veredas)

Oficina prática de escrita criativa

 

22, 23 e 24 de Maio –  AS LINHAS E AS FORMAS

Guilherme Werneck (Instituto Veredas)

Oficina prática de desenho por meio da percepção sensível das linhas e formas do bairro

 

12, 13 e 14 de Junho  –  A MÚSICA

Silas Oliveira (Banda Senhor Macaco)

Oficina de canto e música

Leonardo Matricardi (Cia Histriônica de Teatro)

Oficina prática de canto coral

 

03, 04 e 05 Julho – A PERFORMANCE

Coletivo Cambar

Oficina de prática de ação performática


Agosto

Ação ônibus / Pontos

Setembro

Praça/ Beirinha

 

Outubro

Ação com as crianças/ Bicharada na Rua da Fazenda

Novembro

Festa de encerramento

LITERATURA

Doris Accioly Silva (Faculdade de Educação/USP): Conversas sobre criação artística e pensamento libertário

Maria Lúcia Fabrini de Almeida (Instituto Veredas): Oficina prática de escrita criativa

ARTES VISUAIS

Guilherme Werneck (Instituto Veredas): Oficina prática de escrita, desenho e pintura.

Helô Cardoso (Instituto de Artes da UNICAMP): Oficina prática de objetos inusitados e inúteis.

MÚSICA

Silas Oliveira (Banda Senhor Macaco): Oficina de canto e música

Leonardo Matricardi (Cia histriônica de Teatro): Oficina prática de canto coral.

PERFORMANCE

Carminda Mendes (Instituto de Artes da UNESP): A arte na rua, poetização de espaços públicos

Coletivo Cambar : Oficina de prática de ação performática